Ensino de Sociologia

Licenciatura em Ciências Sociais e Sociologia no Ensino Médio
Subscribe

Jessé de Souza – classes sociais, reprodução social e desigualdade no Brasil

maio 20, 2013 By: polart Category: artigo, bibliografia

Reproduzimos abaixo um bom artigo publicado no Estadão que serve de referência para discussões em sala sobre classes sociais, reprodução social e desigualdade no Brasil.

Pensamento mediano

18 de maio de 2013 | 16h 09

A professora Marilena Chauí propõe uma discussão interessante e oportuna acerca da classe média brasileira. Seu julgamento indignado é certeiro, ainda que abstrato e indiferenciado. Mais interessante que o burburinho causado é perceber a “justificação” do privilégio dessa classe para que possamos compreendê-la. Antes de tudo, o que é “privilégio”? E como ele se reproduz? Em todas as sociedades modernas, como a brasileira, os privilégios que asseguram acesso diferencial aos bens ou recursos que todos desejamos, sejam materiais, como carro e casa, sejam imateriais, como o prestígio e o charme que asseguram a conquista de um parceiro erótico, por exemplo, são explicados a partir da apropriação diferencial de certos “capitais” – que vão pré-decidir toda a competição social por todos os bens escassos, materiais e imateriais, que todos desejamos as 24 horas do dia. Esses “capitais impessoais”, antes de tudo o capital econômico e o capital cultural, são, portanto, o fundamento opaco e nunca assumido de toda a dominação social injusta.

 

Filósofa Marilena Chauí propõe reflexão sobre a classe média - Filipe Araújo/Estadão
Filipe Araújo/Estadão
Filósofa Marilena Chauí propõe reflexão sobre a classe média

A regra básica da cegueira na qual todos vivemos é que percebemos o “capital econômico”, mas nunca percebemos o “capital cultural”. É que o capital cultural não são apenas os títulos escolares de prestígio que garantem à classe média seus empregos bem pagos e reconhecidos. Capital cultural é também e principalmente toda a herança imaterial e invisível, tanto emocional quanto cognitiva e moral, que recebemos desde tenra idade, sem esforço, no convívio familiar, como a habilidade para o pensamento abstrato, o estímulo à concentração – que falta às classes populares e a condenam ao fracasso escolar -, a capacidade de perceber o futuro como mais importante que o presente, etc. Isso tudo somado constrói o indivíduo das classes alta e média como “vencedor” na escola e depois no mercado de trabalho, não por seu “mérito individual”, como os indivíduos dessas classes gostam de pensar, mas por uma “vantagem de sangue”, familiar e de classe, como em qualquer outra sociedade tradicional do passado.

Como a herança do capital cultural, enquanto pressuposto emocional, cognitivo e moral de todo privilégio, é invisível e opaca à consciência cotidiana, a falácia do “milagre” do mérito individual pode campear á vontade. Esse falso milagre é o fundamento que legitima todo tipo de apropriação injusta de privilégios permanentes, condenando os indivíduos que tiveram o azar de nascer na família e na classe errada à miséria e à humilhação, como se alguém pudesse “escolher” ser pobre e desprezado. A dominação social moderna é produzida por um engodo, uma fraude, uma mentira compartilhada por todos os privilegiados. Mas isso acontece exatamente do mesmo modo nas sociedades que admiramos e imitamos como França, Alemanha ou Estados Unidos.

(mais…)

Direito de Ser Adolescente

março 08, 2012 By: polart Category: bibliografia

Está disponível para download o relatório 2011 da Unicef “O Direito de Ser Adolescente: oportunidades para reduzir vulnerabilidades e superar desigualdades”. O relatório tem importantes informações, dados e análises sobre a situação da adolescência no Brasil.

Download