Ensino de Sociologia

Licenciatura em Ciências Sociais e Sociologia no Ensino Médio
Subscribe

Estágio III – 2010

Programa Disciplina Estágio III – 2°semestre 2010.

Objetivo Geral
Experienciar, refletir e desenvolver conhecimentos sobre a relação dos processos comunicacionais (e suas linguagens) com os processos educacionais, seus modos de conhecimento e subjetivação.

Específicos
-Analisar a utilização de diferentes linguagens (visual, audio-visual e multimídia) nos processos educacionais e como formas próprias de conhecimento;
-Problematizar a relação entre linguagem, tecnologias de comunicação e os mecanismos de produção identitária e de subjetivação emergentes nos contextos educacionais.
-Conhecer e experienciar, no âmbito dos projetos de estágio, a utilização de metodologias para a co-produção de conhecimentos.

Ementa
Reflexões e desenvolvimento de ações educativas junto a novos espaços de atuação profissional do cientista social no universo da educação (museus, ONGs, cursinhos populares, movimentos sociais, entre outros). O professor responsável pela disciplina selecionará um ou mais eixos temáticos a serem trabalhos na dimensão teórica e prática mediante a organização de grupos de trabalhos para a realização de planos de ação, que compreende os seguintes momentos: (1) Formação; (2) Pesquisa e diagnóstico; (3) Co-elaboração e discussão coletiva dos projetos; (4) desenvolvimento da proposta; (5) Avaliação; (6) Sistematização e compartilhamento dos conhecimentos produzidos.

Descrição dos objetivos, motivações e atividades do curso
A disciplina Estágio III oferecerá um conjunto de situações em que os processos educacionais (na universidade, escola e nas organizações da sociedade civil), serão problematizados nas seguintes dimensões: relação teoria-prática, relação docente-estudante, relação sujeito-instituição, relação linguagem-conteúdo-forma.
Para a organização das atividades do semestre propomos um percurso coletivo em que o sucesso da disciplina dependerá do engajamento cooperativo de todos os envolvidos, uma vez que os conteúdos e práticas examinados serão o fruto das pesquisas e ações realizadas pelos participantes da disciplina a partir de temas previamente definidos e a partir de problemas emergentes no decorrer do curso.
Para isso, a disciplina está composta por um conjunto de atividades: sensibilização teórica para tópicos específicos; realização de pesquisa e apresentação de seminários; visitas a escolas e ONGs e realização de um pequeno projeto de intervenção educativa.
Para o seminário o grupo responsável deverá organizar uma apresentação que combine os conteúdos pesquisados com a utilização de recursos comunicacionais em diferentes linguagens (fotografia, video, HQs etc). A proposta é que os seminários façam uso de expressões culturais (do seu próprio meio ou da escola) como mobilizadores de uma forma de conhecimento complementar, apontando outros caminhos de reflexão sobre os conteúdos selecionados. Da mesma forma, a ação a ser desenvolvida na escola deverá fazer uso desses recursos, seja na realização de algumas aulas, oficinas ou na produção de material educacional. Aqui, o fundamental na escolha do tema é que ele esteja orientado por algum conceito/problema de caráter sociológico, antropológico ou político.
Os seminários poderão ser realizado em pequenos grupos (3-4 pessoas); os projetos de estágio deverão ser realizados em duplas.

Atividades:
-Seminários temáticos;
-Publicação de conteúdos (textos/imagens/sons) na plataforma digital: trata-se de registrar/apresentar elementos em linguagens diversas; fragmentos da vida cotidiana que possam ser objeto de problematização de conteúdos das ciências sociais no ensino médio.
-Elaboração e execução de projeto de intervenção.
-Orientação/supervisão do estágio;
-Relatório final: pode ser feito em diferentes formatos e suportes.

Avaliação:
-Participação (leitura prévia dos textos e discussão em sala) – 10%
-Postagem de conteúdo no site – 10%
-Realização do seminário – 30%
-Projeto e relatório – 50%

Frequencia: mínimo 75% das aulas presenciais

Distribuição das Horas/atividades:
-50hs em campo (escolas + visitas às ONGs);
-85hs (distribuídas entre orientação/seminários/preparação projeto e relatório final).

Campos de Estágio
Escolas de Guarulhos (Diretorias Norte e Sul):
ONGs, Institutos.
Cursinhos Populares

CRONOGRAMA

Aula 1 – 04 de agosto: Apresentação do programa do curso.
-Contrato
-Organização Seminários

Aula 2 – 11 de agosto: Aparelhos de visão, educação do olhar e conhecimento sensível.
Textos:
Carlos Eduardo Albuquerque Miranda. Uma educação do olho.
Leitura Complementar:
Arlindo Machado – “Técnicas do Observador” In. O Sujeito na Tela.
Alfredo Bosi – Fenomenologia do Olhar

Aula 3 – 18 de agosto: Tecnologias de Comunicação, modos de subjetivação e de conhecimento.
Texto:
Rosa Fischer: O dispositivo pedagógico da mídia
___________: Mídia, máquinas de imagens e práticas pedagógicas.
Complementar:
Laymert Garcia dos Santos: Modernidade, pós-modernidade e metamorfose da percepção In. Politizar as Novas Tecnologias.

Aula 4 – 25 de agosto: Atividade de Campo + produção registro visual.

Aula 5 – 1 de setembro: Apresentação do Campo de Estágio e discussão coletiva sobre os registros.

Aula 6 – 8 de setembro: Seminário Violência na/da escola

Bernard Charlot – Prefácio In. Abramoway, Mirian (coord.) Cotidiano das escolas: entre violências. Brasília: UNESCO, Observatório de Violências nas Escolas, MEC, 2005.

Abramoway, Mirian. Escola e Violencia. Brasilia:UNESCO, UCB, 2002: PDF-relatorio

Miriam Abramoway e Maria das Graças Rua (orgs.). Violencia nas Escolas. Brasilia: UNESCO, Inst.Ayrton Senna, UNAIDS, Banco Mundial, USAID, Fundação Ford, CONSED, UNDIME, 2002.

Julio Groppa Aquino (org.) Indisciplina na Escola: alternativas teóricas e pràticas. Sao Paulo: Sumus Editorial, 1996.

Sposito, Marilia Pontes. Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.1, jan./jun. 2001, p. 87-103. PDF-artigo

Pesquisa FIA/CEATS: Relatório Final Bullying Escolar no Brasil 2010: PDF

Relatório CECIP sobre Justiça Restaurativa:PDF

Aula 7 – 15 de setembro: Atividade Campo/Orientação

Aula 8 – 22 de setembro: Seminário Construção Social da Juventude; culturas juvenis e de massa.

-Juarez Dayrell & Juliana Batista Reis: Juventude e Escola: Reflexões sobre o Ensino da Sociologia no Ensino médio.

-Rosa Maria Bueno Fischer. Mídia e educação: em cena, modos de existência jovem. Educar em Revista, n°26, Curitiba: Ed.UFPR, 2005.

-Helena Abramo. O uso das noçõesde adolescência e juventude no contexto brasileiro (Cap.2). In. Maria Virgínia de Freitas (org.) Juventude e Adolescência no Brasil: referências conceituais, São Paulo: Ação Educativa, 2005.

Aula 9 – 29 de setembro: Atividade Campo e Orientação

Aula 10 – 6 de outubro: Seminário Produção do “outro”: diferença e desigualdade.

-PIERUCCI, Antonio Flávio. Ciladas da Diferença. /Tempo Social, Revista de
Sociologia da USP/
, v.2, n.2, p.7-33, 1990.

-DUSCHATZKY, Silvia & SKLIAR, Carlos. O nome dos outros. Narrando a alteridade na cultura e na educação. In. Larrosa, Jorge & Skliar, C. (orgs.) /Habitantes de
Babel: políticas e poéticas da diferença/
. Belo Horizonte: Autentica, 2001.

-GUIMARÃES, Antonio Sergio. Depois da Democracia Racial. /Tempo Social, Revista
de Sociologia da USP/
, v.18, n.2, p.269-287,nov.2006.

-LAPLANE, Adriana. Uma análise das condições para a implementação de políticas de educaçao inclusiva no Brasil e na Inglaterra. /Educação & Sociedade/, Campinas, vol.27, nº96 – Especial, p.689-715, out.2006.

OUTROS MATERIAIS DE APOIO:

Os desafios da educação inclusiva. In. /Boletim Ebulição – Desafios da Conjuntura/, Observatório da Educação, Ação Educativa, Edição 20, março2007. http://www.observatoriodaeducacao.org.br/ebulicao/ebul20/

OZ, Amós. Como curar um fanático. In. /Contra o Fanatismo/, Rio de Janeiro: Ed.Ediouro, 2004.

BURBULES, Nicholas C. Uma gramática da diferença: algumas formas de repensar a diferença e a diversidade como tópicos educacionais. In. Garcia, R.& Moreira, Antonio (org.). em>/Currículo na Contemporaneidade: incertezas e desafios/. São
Paulo: Cortez, 2003.

CADERNOS CEDES. A Nova LDB e as Necessidades Educativas Especiais, nº46, set. 1998.

CANDAU, Vera Maria. Direitos Humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. /Revista Brasileira de Educação/, v.13, n.37, p.45-56, jan/abril 2008.

Aula 11 – 13 de outubro: Atividade Campo e Orientação

Aula 12 – 20 de outubro: Seminário Poder, Autoridade e Educação Democrática

Hannah Arendt – A Crise da Educação. In. Entre o Passado e o Futuro. São Paulo: Ed.Perspectiva, 2005 (1°ed.1954).

Bertrand Russell – Liberdade e Autoridade no Ensino. PDF

Elie Ghanem – A Democratização do Ensino. In. Educação Escolar e Democracia no Brasil. Belo Horizonte: Ed. Autentica, 2004.

Paulo Freire – Cap.2 Pedagogia do Oprimido. PDF

Aula 13 – 27 de outubro – Atividade Campo/Orientação

Aula 14 – 3 de novembro – Atividade Campo/Orientação

Aula 15 – 10 de novembro
Apresentação das Ações/Projetos de Estágio

Aula 16 – 17 de novembro

Entrega dos relatórios e Avaliação Coletiva da Disciplina

Referências
(Para as primeiras aulas. A bibliografia dos seminários será definida durante o curso).

BOSI, Alfredo. Fenomenologia do olhar. In: NOVAES, Adauto (Org.). O olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1988. p. 65-87.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. O dispositivo pedagógico da Mídia. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.28, n.1, p. 151-162, jan./jun. 2002.
__________. Mídia, máquinas de imagens e práticas pedagógicas. Revista Brasileira de Educação, v.12, n.35, maio/agosto, 2007.

MACHADO, Arlindo. O sujeito na tela: modos de enunciação no cinema e no ciberespaço. São Paulo: Paulus, 2007.

MIRANDA, Carlos Eduardo Albuquerque. Uma educação do olho: as imagens na sociedade urbana, industrial e de mercado. Cadernos CEDES, Campinas, v. 21, n. 54, p. 28-40, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622001000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=pt
Acessado em: 1 de março de 2010.

SANTOS, Laymert Garcia. Politizar as novas tecnologias: o impacto sócio-técnico da informação digital e genética. São Paulo: Ed. 34, 2003.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.